! Como são as sedes da Samsung nos EUA e na Coreia do Sul

Muito além do seu Galaxy

Visitamos as principais sedes da Samsung em dois continentes e revelamos o império por trás da marca

Gabriel Francisco Ribeiro* Do UOL Tecnologia, em San Francisco (EUA) e Seul (Coreia do Sul)

Quando o nome Samsung vem à sua cabeça, no que você pensa? Provavelmente no seu celular ou na sua televisão, que são os produtos mais vendidos da marca tanto no mundo quanto no Brasil. Mas há muito mais por trás da empresa, coisas que nem imaginamos.

Em uma rara oportunidade, a companhia abriu algumas de suas portas das sedes nos Estados Unidos e na Coreia do Sul, e o UOL Tecnologia teve a chance de visitar os locais que representam uma pequena parte do império da companhia.

Reprodução Reprodução

Origens humildes

Se achou os números acima impressionantes, saiba que eles não contam toda a história da Samsung. A empresa começou a sua empreitada vendendo peixe seco e vegetais, com apenas quatro funcionários. A ascensão meteórica passa ainda pela confeitaria e venda de açúcar, antes de explodir com a venda de seguros e têxteis até chegar aos eletrônicos e celulares. O UOL Tecnologia já contou essa história, relembre aqui.

Divulgação/Samsung Divulgação/Samsung

Entender a empresa sul-coreana é algo complexo. São várias Samsungs dentro da Samsung, ou seja, seus tentáculos passam por diversas áreas, com divisões internas e separações rígidas em cada ramificação. 

Existe, claro, a divisão que comercializa as TVs, os celulares e todos os aparelhos eletrônicos que estamos acostumados, chamada de Samsung Electronics. Mas também rolam áreas que comercializam partes de eletrônicos para empresas rivais -- como o display Oled para os iPhones da Apple.

E, logicamente, uma área não pode saber o que a outra está fazendo. Segredos industriais são essenciais dentro do mercado de eletrônicos, mas na Samsung eles existem dentro da própria companhia -- e é por isso que, nas visitas que fizemos, era terminantemente proibido tirar fotos em muitos dos ambientes.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

A Samsung que você não conhece

Nessa competição interna, existe ainda um setor desconhecido do consumidor final: a Samsung Semiconductor, que lidera o setor de produção de chips, memórias, sensores de imagens, componentes e processadores para a própria empresa e companhias rivais. 

A importância dessa área vem crescendo na Samsung. Em 2015, a empresa inaugurou o Samsung@First, um prédio de US$ 300 milhões e mais de 100 mil metros quadrados para abrigar 2.000 funcionários que atuam no Vale do Silício. Bem ao estilo californiano, tem muito vidro, quadras, cafeterias, academia para funcionários e teto solar. Ele se tornou o prédio mais alto de San Jose, e sua arquitetura é espantosa, como visto na foto.

Mas não é só ali que a unidade de semicondutores atua, existem sedes por vários países. Do outro lado do mundo, na Coreia do Sul, a Samsung nos mostrou a fábrica que é o oposto da versão norte-americana: uma linha de produção completamente robotizada, daquelas que hipnotizam pelo frenético vai e vem de peças sendo coletadas por máquinas. 

Vez ou outra, passa um dos 30 funcionários do local --eles são responsáveis apenas pela manutenção do maquinário.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Atrás da "next big thing"

Mas a presença da Samsung no Vale do Silício é mais importante por outras razões. Vertentes da companhia, como a Samsung Next e a Samsung Strategies and Innovation Center, vasculham startups proeminentes da região para adquirir empresas ou fazer parcerias que tragam inovações. Eles estão, assim como outras rivais, atrás da "next big thing", ou a próxima grande revolução da tecnologia.

Foi assim que o reconhecimento de íris chegou ao seu smartphone top de linha.

Atualmente, os executivos das duas empresas apontam os dados como o grande fetiche para o futuro. Entre as áreas principais de startups olhadas com carinho pela Samsung estão plataformas de saúde digital, internet das coisas, infraestrtura de nuvem, soluções para dispositivos, 5G, inteligência artificial, entre outras.

Escolhemos as startups que vamos financiar conversando com aceleradoras, analisando outras companhias para comprar e fazer parcerias. Um exemplo são as parcerias para o carro autônomo. Para a startup, vai além do dinheiro: é uma diretriz para o produto

Janaina Pilomia, diretora de marketing do Samsung Strategies and Innovations Center

AI é o futuro

A inteligência artificial é uma das principais áreas de pesquisa das grandes empresas de tecnologia na atualidade. E a Samsung não está atrás: inaugurou recentemente um novo centro de AI em Montreal, no Canadá. O local se junta a outros seis centros globais voltados exclusivamente à tecnologia: além de Montreal, Seul, Moscou, Cambridge, Toronto, Nova York e Califórnia, onde a reportagem esteve.

No estacionamento do edifício, robôs patrulham a área. Produzidos por outras empresas, os equipamentos ficam circulando pela área externa do prédio e conseguem identificar movimentos estranhos, sendo úteis principalmente à noite. Mas o que ocorre dentro do prédio é ainda mais interessante.

Getty Images/iStockphoto Getty Images/iStockphoto

Alvo atual: a sua voz

Já é possível ver ganhos de inteligência artificial em celulares da marca, por exemplo quando você liga a câmera que identifica o cenário e melhora a imagem. Mas, a grande aposta da empresa é a Bixby.

A assistente por voz da Samsung veio anos depois das concorrentes e por isso a companhia tenta correr atrás do prejuízo para garantir seu espaço.

Tem uma competição atualmente pelo assistente de voz e no futuro vai se definir, como na década de 90 tinham vários buscadores. As interações precisam estar em todos os produtos e modalidades

Larry Heck, chefe de inteligência artificial da Samsung

Atualmente, os funcionários da Samsung buscam acabar com o irritante "desculpe, não consigo entender", constantemente repetido pelos assistentes de voz de diversas companhias. A estratégia é deixar a experiência com os assistentes de voz cada vez mais personalizada, de acordo com a linha que outras marcas, como o Google, preveem: a próxima tecnologia será a sua voz

Temos de repensar essa tecnologia e os usuários que não apenas entendem a AI, mas também ajudam a criá-la. Por exemplo, se pedir para mostrar as notas do meu filho na escola, o sistema pode responder 'não sei fazer isso, me mostre'. Ai o usuário mostra uma vez e ele entende as próximas, e isso passa a valer para outras pessoas

Laryr Heck, vice-presidente sênior de pesquisa de Inteligência Artificial da Samsung

Getty Images Getty Images

Do design até você

Você nem imagina o tamanho do percurso que um produto faz até chegar a você. É possível ter um pouco de ideia disso ao visitar o Samsung Design Innovation Center, em San Francisco (Califórnia). O local, onde trabalham 30 pessoas, é um dos vários no mundo responsáveis pelo design dos produtos da marca -- de lá saíram a pulseira Gear Fit, os fones da linha Level e o tablet Galaxy View.

Esses centros de design fazem parte de uma nova cultura de startup dentro da Samsung. O mais curioso é que um novo produto pode vir de qualquer lugar -- tanto os responsáveis pelo design podem sugerir um dispositivo após pesquisas com público, quanto outras áreas podem pedir design para um dispositivo que tiveram ideias. Lembra do papo de várias Samsungs dentro da Samsung? Pois é.

E o caminho até a casa do usuário é enorme. Primeiro surge a ideia, depois ela é aplicada na prática e após um tempo são criados protótipos -- alguns podem custar até US$ 10 mil, caso do Galaxy View. O protótipo é ainda levado em mãos para a sede da Samsung em Seul, onde executivos avaliam e pedem alterações. Um novo produto pode demorar de meses a anos até chegar às prateleiras.

Não gostamos que a tecnologia defina o design. Queremos entender as pessoas, o usuário ideal. Vamos para o mundo conversar com ele, perguntar o que importa. Depois conversamos com o resto da indústria. Não é: 'temos um display novo, faz um design'

Greg Holt, designer Principal do Samsung Design Innovation Center

Getty Images Getty Images

Impressora 3D mudou tudo

Um fato curioso desse centro de design é a impressora 3D que facilitou --demais-- a vida de quem trabalha por lá. Dentro de uma sala, ela paira ao lado de outros materiais mais típicos de um centro de design, como gesso e tinta. Graças a ela, protótipos de novos produtos conseguem ser feitos em 30 horas, em um processo mais perto do industrial.

A impressora 3D custa US$ 200 mil. Só que o alto valor não para por aí: cada cartucho que gera os protótipos custa US$ 1.300 --e, se for para criar vários protótipos de celulares, eles duram apenas algumas semanas.

O mais triste é que, depois de testados, todos os protótipos feitos no centro de design acabam destruídos.

Divulgação Divulgação

Tortura de celulares

A Samsung conta com um laboratório de qualidade que parece uma "sala de tortura" para celulares da empresa. Por lá, os aparelhos são testados em diversas situações --quedas de grandes alturas, calça jeans, pressão de aço, riscos, embaixo d'água. O processo todo dá aflição só de observar.

Divulgação Divulgação

O seu som vem daqui

Cada produto lançado pela Samsung tem um som próprio --de ringtones do celular ao ato de ligar um ar-condicionado. E esses detalhes, que nem damos muita bola, partem de um laboratório de áudio liderado pela empresa. Lá rolam composições e são definidos os sons que cada dispositivo terá.

Império sofre ameaça?

A abertura das principais sedes da Samsung a jornalistas tem provavelmente duas causas principais. Por um lado, a empresa quer mostrar que superou escândalos do passado recente. Por outro, também busca mostrar que ainda tem chances de continuar relevante no ameaçador futuro.

É bom lembrar que há dois anos a empresa teve que lidar com o fracasso do Note 7, celular que explodia e teve suas unidades recolhidas no mercado. Já no ano passado, o herdeiro da companhia foi condenado a cinco anos de prisão na Coreia do Sul por corrupção, na maior pena já aplicada a um empresario no país.

Em meio a isso, a Samsung vê o mercado de smartphones ficar cada vez mais competitivo. A ascensão de companhias chinesas como a Huawei e a Xiaomi no setor liderado há anos pela empresa sul-coreana causa dúvidas sobre o futuro do mundo mobile.

Estaria o império ameaçado? Talvez. Mas a máquina por trás dele não deve parar de girar tão facilmente. 

Curtiu? Compartilhe.

Topo